1939 a 1944 - Era de Ouro - 2ª Fase

    A segunda fase da Era de Ouro se caracteriza pelo amadurecimento da produção da geração da década de 30, que iria entrar nos anos 40 em sua melhor forma, e com a chegada de outros artistas que iriam engrossar ainda mais o casting das gravadoras e rádios. Como reflexo do culto à voz, que já se desenvolvia no Brasil desde o fim da década de 20, surgem mais nomes que se tornaram mitos da MPB, como Carmen Costa, Heleninha Costa, Isaura Garcia, Ademilde Fonseca, Carmélia Alves, e as rivais Marlene e Emilinha Borba, todas com carreiras que se estenderam por mais de duas décadas. Devido ao acontecimento da II Guerra Mundial, apesar da produção musical ter sido forte, sendo a música uma válvula de escape da população, o clima de apreensão que existia no ar, atrelado ao racionamento de matéria prima, em comparação à Década de 30, acarretou numa retração na quantidade de música gravada e lançamento de artistas. O fim da guerra coincide também com o declínio dos artistas da década de 30, quando as fórmulas utilizadas por toda a geração de compositores e intérpretes começa a se esgotar, possibilitando uma nova fase de transição a seguir, na qual os destaques seriam as ondas do baião e do samba-canção.