1902 a 1916 - La Bélle Èpoque

    A gravação em discos no Brasil se inicia no ano de 1902, sendo o primeiro disco brasileiro o lundu "Isto é bom", de autoria de Xisto Bahia e gravado pelo cantor Bahiano. A música brasileira gravada nas duas primeiras décadas do séc. XX, de 1902 a 1919, registrou basicamente a produção realizada no século XIX, sendo que a figura feminina mais importante do período jamais gravou como cantora: Chiquinha Gonzaga. Compositora de centenas de músicas, é uma das  personalidades mais importantes do período. Além de Chiquinha, se destacaram também os compositores Ernesto Nazareth, Anacleto de Medeiros e Catulo da Paixão Cearence. Os gêneros mais explorados nesse período são a valsa, a modinha, a cançoneta, chótis e polcas, além do maxixe, que se popularizou, em grande parte, devido às interpretações maliciosas das atrizes / cantoras da época. Houveram alguns cantores no período que fizeram sucesso, notadamente Bahiano, Mário Pinheiro, Cadete, Nozinho, Eduardo das Neves e Geraldo Magalhães, este último principalmente como integrante da dupla Os Geraldos. Porém foram poucas as cantoras, até mesmo porque a sociedade acentuadamente machista da época não admitia que uma mulher tivesse a atividade de cantora por profissão, colocando atrizes e cantoras no mesmo patamar social das prostitutas. E foram justamente as atrizes de maior destaque no Teatro de Revista as principais cantoras a gravarem discos no Brasil durante a Bèlle Èpoque da MPB, como Pepa Delgado, Júlia Martins e Abgail Maia. Outro ponto determinante para a escassez de talentos vocais femininos registrados em disco foi a precariedade técnica do processo de gravação do período. O gravador mecânico consistia em um cilindro metálico com uma membrana na ponta, onde o cantor e os músicos se postavam na outra extremidade e, o mais alto que seus pulmões pudessem, literalmente gritavam as músicas, para que as ondas sonoras conseguissem, através do ar, sensibilizar a membrana do outro lado, que ia sulcando a cera do disco, que viria a ser a matriz. Esse processo exigia um esforço fenomenal dos cantores, que tinham que cantar em tons e volumes muito altos, o que acabava por distorcer suas vozes. Lavando-se em consideração que esses cantores populares pioneiros em sua maioria não tinham a técnica de canto adequada para tal esforço, não é de se admirar que tão poucas mulheres tenham se notabilizado como cantoras no período.